Azeite comum, virgem ou extravirgem… Qual escolher?

Se você é daqueles que como eu, chega às gôndolas do supermercado e fica minutos a fio sem saber qual tipo de azeite escolher, a reportagem da JKPG foi atrás de um conhecedor do assunto para sanar nossas dúvidas. Patrícia Galasini é especialista e degustadora oficial em azeites, certificada pela Associazione Mille Sensi, da Itália, com especialização em Portugal, onde desbravou cidades e vilarejos atrás do melhor azeite do mundo. Há mais de 10 anos nessa área, a consultora traz sua experiência com o produto e nos explica as melhores práticas na hora de comprar o óleo.De acordo com a profissional, azeite é um óleo vegetal, que tem como matéria-prima a azeitona, e pode ser consumido logo após a sua extração, sem qualquer alteração, ou seja, é 100% natural. Bastante apreciado na culinária, suas variedades são o óleo extravirgem, virgem e refinado (ou comum).

O azeite extravirgem é de qualidade superior, possui sabor e cheiro intensos, a azeitona é sã, sem defeitos, e sua acidez é igual ou inferior a 0,8%. É utilizado em finalizações, em pratos que não vão ao fogo, como por exemplo, saladas, pães, pizzas, queijos e outros petiscos.

Já o azeite virgem tem boa qualidade, sabor e cheiro, suas azeitonas são sãs, mas pode apresentar defeitos provocados pela degradação do fruto antes da extração. Sua acidez é igual ou abaixo de 2%. É recomendado em processos de cozimento, pratos que vão ao fogo.

O azeite comum é composto por azeite refinado, com azeite virgem, aromático e frutado e tem mais de 2% de acidez. Pode ser empregado em frituras.

Em linhas gerais, Patrícia explica que o que os diferenciam são fatores ambientais, técnicas de cultivo, operação de envasamento e transporte. A qualidade do azeite depende também da safra, forma de produção e condições de armazenagem. “Quanto menor for seu índice de acidez, mais benefícios ele terá. E quanto mais preservadas forem as características aromáticas da azeitona, mais virgem o azeite será”, assegura.Muito se ouve dizer sobre o fator acidez do azeite, no entanto, de acordo com a especialista, a acidez, que é medida em análises laboratoriais, não determina a qualidade e não tem nada a ver com azedo, picante ou qualquer outra característica organoléptica, ela apenas tem como função o fator de classificação (extravirgem ou virgem) do produto.

Vale ressaltar sobre a embalagem do produto, que tem como principal função a preservação das características do azeite. Elas podem ser garrafa de vidro, escura ou transparente e, também, latas. O acondicionamento em vidro escuro é o mais indicado.

O azeite também oferece inúmeros outros benefícios, que dá um toque ainda mais especial aos nossos pratos, à nossa saúde e à nossa vida. Azeite é a gordura do bem, é sabor e saúde até a última gota. Agora, já é possível fazer boas escolhas na hora da compra.

Esta entrada foi publicada em Uncategorized. ligação permanente.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *